Chapecó e Região Convention & Visitor Bureau

Notícias

12/Dez

Organização da oferta em turismo rural

A incorporação do turismo na rotina de uma propriedade não pode ser improvisada sem uma análise cuidadosa dos riscos e oportunidades. Um dos primeiros passos nesta direção é a sensibilização dos proprietários rurais sobre as mudanças que o turismo pode provocar, como o aumento do trânsito, alteração da rotina da propriedade, aumento da geração de resíduos, necessidade de compra permanente de insumos, qualificação de funcionários, gestão de risco de acidentes e ajustes legais no cadastro da propriedade, entre outros.

É desejável que o empreendedor entenda o processo de planejamento do turismo para poder inventariar e diagnosticar os recursos locais e regionais e, a partir deles e do interesse da demanda, prever serviços, equipamentos e infraestrutura necessários para proporcionar atividades recreativas e culturais internas e externas adaptadas aos distintos públicos do negócio.

Ainda no planejamento, é recomendável exercitar cenários, considerando seus principais diferenciais frente a um perfil claro de turista/visitante, no que diz respeito a variáveis como faixa etária, poder aquisitivo, tempo médio de permanência, número de acompanhantes, expectativa de atividades, etc. Isto significa não só conhecer as variáveis que servem para caracterizar um público, mas desenvolver habilidades de coleta, associação e análise de informações para fundamentar a tomada de decisões.

Também é preciso avaliar o espaço físico disponível e desenvolver um projeto harmônico, que respeite e valorize as questões culturais, físicas e da paisagem. Questões relacionadas à segurança, higiene, acessibilidade também passam a fazer parte da preocupação do empreendedor. Após as decisões relativas às adaptações necessárias, é preciso quantificar o montante de recursos necessários para realizá-las. Mais do que isso, uma decisão de investimento pode ser difícil de ser tomada, pois o risco envolvido gera insegurança.

Alguns instrumentos de análise de projetos e elementos básicos de matemática financeira podem ser úteis para estudar possibilidades de retorno e gerar confiança, mas é a prática do processo decisório que proporciona convicção. A tomada de decisões em grupos, envolvendo parceiros regionais, pode ser um bom caminho no exercício de desenvolvimento do processo, e estudos de distintos cenários de investimento e prazos de retorno podem contribuir para a identificação de uma solução mais próxima às reais possibilidades do empreendedor.

A avaliação do montante a ser investido deve considerar, dentre outros fatores, o preço que o cliente está disposto a pagar e qual a rentabilidade projetada, quais produtos e serviços poderão ser oferecidos, número de funcionários necessários, quais os meios de comunicação serão utilizados e, fundamentalmente, que o turismo é uma atividade sazonal, com períodos de alta de baixa demanda.

O empreendedor rural só poderá prever todos estes aspectos se já possuir alguma intimidade com a operação de meios de hospedagem e/ ou de alimentação. Portanto, é evidente que treinamentos complementares e apoios de técnicos na área são de grande utilidade.

O bom funcionamento de um estabelecimento de Turismo Rural é respaldado por um conjunto de práticas comerciais, administrativas e operacionais, e o ajuste destas práticas às características estruturais e conjunturais da demanda, da oferta concorrencial e do mercado turístico depende não só do conhecimento dos instrumentos e práticas tradicionalmente aplicados pelos serviços turísticos, mas também do desenvolvimento de uma aptidão analítica do proprietário rural para conciliar com a dinâmica típica do meio rural.

O esforço pela satisfação das expectativas do consumidor, a antecipação de suas necessidades e a habilidade de atender suas vontades alinhadas às mudanças das estações do ano, as oscilações do clima, a imprevisibilidade do comportamento dos animais e a necessidade de ser vendida “qualidade com rusticidade e autenticidade” fazem do turismo rural um negócio bastante desafiador… Mas não impossível!

Para ter sucesso, o empreendedor precisa saber que existe este conjunto de fatores a ser considerado e estar disposto a compreender esta dinâmica, lembrando sempre que o Turismo Rural está fundamentalmente relacionado às boas práticas da sustentabilidade e a valorização de características do meio rural.

Abrir mão dessas características é perder a essência da atividade, transformando-a em outro tipo de turismo que não o tipicamente rural. Vamos em frente!


Fonte: https://brasilturis.com.br/organizacao-da-oferta-e...



Outras Notícias

10
Jul
Chapecó mostrará ações de sustentabilidade na Cúpula Mundial de Cidades
O prefeito Luciano Buligon é uma das 300 autoridades mundiais (14 da América Latina) convidadas para a Cúpula Mundial das Cidades (10th World Cities Summit... Leia Mais
04
Jul
Bem Casados 2019 é marcada pela tecnologia e sustentabilidade
Bem Casados 2019 é marcada pela tecnologia e sustentabilidadePara a próxima edição, a comissão organizadora tem o desafio de tornar a feira LixoZeroO maior... Leia Mais
02
Jul
Águas termais impulsionam turismo de inverno
Mesmo com a agroindústria e a produção agrícola no topo da economia regional, o Oeste também aposta no desenvolvimento do turismo pelas águas termais.Nas... Leia Mais
02
Jul
Marcada audiência pública sobre concessão do aeroporto de Chapecó
Aviso de Consulta e Audiência Pública Nº 001/2019 - Aeroporto Serafim Enoss BertasoO MUNICÍPIO DE CHAPECÓ, Estado de Santa Catarina, torna público, para... Leia Mais

Nossos Parceiros